Proteja seu Patrimônio: Investimentos contra Variações do Dólar

Navegue pelo Conteúdo

Investir apenas no mercado interno não o exime de ser impactado pelas variações do dólar. Afinal, o dólar rege o mercado mundial e é a moeda da maior potência econômica do mundo — os Estados Unidos.

Portanto, é importante que você aprenda maneiras de proteger o seu patrimônio contra as variações da moeda norte-americana. E o mais interessante é que não é necessário tirar o seu capital do país para atingir esse objetivo.

Quer saber quais investimentos ajudam a proteger o seu patrimônio das variações do dólar? Então prossiga com a leitura deste post até o final.

Vamos lá?

Quais são os impactos das variações do dólar?

Como você viu, o dólar é uma das moedas mais fortes do mundo, sendo utilizada na negociação de diversos produtos nas exportações do mercado nacional. Entre eles, estão as commodities como o petróleo, soja, milho, café, minério de ferro, ouro e muitas outras.

Além disso, o dólar é a moeda utilizada no mercado dos EUA — o maior do mundo. Assim, a cotação da moeda americana impacta a economia mundial e gera reflexos na economia brasileira, especialmente na B3 (a bolsa de valores brasileira).

Por exemplo, você já deve ter observado que é comum a bolsa cair quando o dólar valoriza e subir quando a moeda perde força. Essas movimentações na bolsa podem influenciar o ânimo dos investidores e, consequentemente, a oferta e demanda de ativos e derivativos financeiros.

Ademais, a variação da cotação do dólar pode contribuir para o aumento ou diminuição da inflação e das taxas de juros no Brasil, impactando os investimentos de renda fixa. Logo, ainda que você invista apenas no mercado nacional, a cotação do dólar tende a interferir nos seus resultados.

Por que o dólar varia com frequência?

Sabendo agora como o dólar pode impactar seus investimentos, vale a pena compreender por que o dólar varia com frequência. Como acontece com diversos produtos ou serviços, o dólar é precificado com base na lei da oferta e da demanda.

Isso significa que quanto maior for a quantidade de pessoas comprando dólar, mais escassez a moeda terá e maior tende a ser o seu preço. Por outro lado, se muitas pessoas estiverem vendendo dólar, isso aumenta a circulação da moeda e geralmente leva a uma redução de preço.

No Brasil, há o modelo de câmbio flutuante desde 1999. Isso significa que o Governo não determina o preço da taxa de câmbio, mas pode interferir no preço da moeda para garantir a estabilidade do mercado — principalmente diante de crises econômicas.

Além da oferta e demanda, o dólar varia conforme questões internas e externas. Por exemplo, quando os juros sobem, os investimentos de renda fixa no Brasil se tornam mais rentáveis.

Isso normalmente contribui para o aumento de capital estrangeiro no mercado nacional. O efeito contrário é percebido quando os juros estão em baixa.

O mesmo acontece quando um país desenvolvido aumenta os seus juros. Quando os juros americanos sobem, por exemplo, a tendência é que o capital estrangeiro migre do mercado brasileiro para o mercado americano, que tem mais estabilidade.

Outro fato que contribuiu para as oscilações no dólar é a balança comercial brasileira. Quando ela está positiva, o volume de exportações é maior que o de importações e mais dólar circula no mercado, diminuindo seu preço. Do contrário, o dólar se torna mais escasso e mais caro.

Como proteger o patrimônio dessas mudanças na moeda americana?

Sabendo que o dólar pode variar diante de uma série de questões no mercado nacional ou internacional, chegou o momento de aprender como proteger o seu patrimônio.

O primeiro passo é entender que a compra de dólar em espécie não é uma boa alternativa para a proteção do patrimônio. Isso porque a venda do papel-moeda para pessoas físicas é feita em casas de câmbio.

Nelas, o interessado costuma pagar o preço do dólar turismo — que é mais caro que o dólar comercial usado nos investimentos. Ademais, o dinheiro em espécie não terá rendimentos, podendo perder valor diante da inflação.

Portanto, a forma mais apropriada para proteção patrimonial é ao fazer investimentos atrelados ao dólar. Para facilitar o processo, saiba que as alocações podem acontecer diretamente no mercado nacional.

Confira exemplos de investimentos vinculados ao dólar no Brasil!

Ações

As ações representam pequenas frações do capital social de uma empresa. Ao adquiri-las, você se torna acionista do negócio e começa a participar dos seus lucros e riscos.

Para contar com proteção contra as variações do dólar, você poderá investir em ações que tenham as suas receitas dolarizadas. É o caso de empresas que atuam com exportação de commodities.

Na bolsa brasileira, é possível encontrar petrolíferas, mineradoras, companhias ligadas ao agronegócio e muitas outras que exportam esses e outros tipos de produtos. Logo, a cotação de suas ações tende a considerar os movimentos do dólar. 

BDRs

Os brazilian depositary receipts (BDRs) são os certificados de valores mobiliários nacionais. Eles são negociados na B3 e podem ter lastro em diversos ativos do mercado internacional, como:

  • ações estrangeiras;
  • títulos internacionais;
  • fundos de índice (ETFs) do exterior;
  • entre outros.

Dessa maneira, ao investir em BDRs ligados ao mercado norte-americano, você consegue dolarizar a carteira de maneira simplificada. 

ETFs

Os exchange traded funds (ETFs) são veículos de investimento coletivos que buscam espelhar os resultados de um índice de mercado, ao replicar sua carteira teórica. Na B3, é possível encontrar ETFs atrelados a benchmarks internacionais — inclusive dos EUA, garantindo a dolarização. 

Fundo cambiais

Os fundos cambiais também são modalidades de investimento coletivo. Porém, as suas cotas são negociadas em plataformas de corretoras e bancos de investimento. A sua carteira é montada por um gestor que busca investir em alternativas ligadas ao câmbio e moedas estrangeiras.

Fundos internacionais

Os fundos internacionais são outro tipo de fundo de investimento encontrado em plataformas de bancos e corretoras de valores. Nesse caso, o gestor monta a carteira do fundo com ativos e derivativos negociados nos mercados estrangeiros, muitas vezes, em alternativas dolarizadas.

Ao investir nas alternativas apresentadas neste artigo, você poderá proteger o seu patrimônio das variações do dólar. No entanto, esses são apenas exemplos e caberá a você decidir qual é a opção mais adequada para sua carteira, considerando o seu perfil de investidor e objetivos financeiros.

Precisa de ajuda para entender melhor as opções de investimentos trazidas neste artigo? Entre em contato conosco e saiba mais!

COMPARTILHE:
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Cadastro foi registrado com sucesso!

Nossa equipe logo entrará em contato. 

Enquanto isso acessa nossa rede social, lá você pode conhecer um pouco mais sobre nossa empresa!